(Des)Igualdades

De certo um dos eventos de futebol mais falados na atualidade, o Mundial de Futebol de 2014 no Brasil. A sua organização tem tido muitas criticas por parte da população brasileira que não vêm o seu modo de vida compatível com o enorme esforço financeiro que este tipo de eventos mundiais necessitam. Entre vários tipos de manifestações que temos visto diariamente, a arte urbana tem ganho cada vez mais adeptos e uma forma de expressão muito mais direta do que as restantes, esta imagem é um grande exemplo dessa mesma intenção.
Num país onde a maior caracterização é a pobreza e a extrema violência é bastante discutível a sua capacidade de organização no Mundial de Futebol.
Joana Catita

De certo um dos eventos de futebol mais falados na atualidade, o Mundial de Futebol de 2014 no Brasil. A sua organização tem tido muitas criticas por parte da população brasileira que não vêm o seu modo de vida compatível com o enorme esforço financeiro que este tipo de eventos mundiais necessitam. Entre vários tipos de manifestações que temos visto diariamente, a arte urbana tem ganho cada vez mais adeptos e uma forma de expressão muito mais direta do que as restantes, esta imagem é um grande exemplo dessa mesma intenção.

Num país onde a maior caracterização é a pobreza e a extrema violência é bastante discutível a sua capacidade de organização no Mundial de Futebol.

Joana Catita


A imagem acima representada é uma fotografia do reconhecido fotojornalista português Alfredo Cunha. Esta encontra-se no seu mais recente livro, onde podemos encontrar uma vasta coleção das suas obras, denominado por Cortina dos Dias. 

O relacionamento entre vários elementos presentes nesta imagem como o amor materno ou sentimento familiar  através do gesto de carinho expresso por esta mulher, que não sabemos se será a mãe da criança ou  outro alguém próximo, o estado de saúde da própria e a sua faixa etária, o vestuário e cenário humilde sem grandes luxos e acessórios de valor, e por último, a religião faz-nos relembrar ou repensar os valores básicos do Ser Humano.
Joana Catita

A imagem acima representada é uma fotografia do reconhecido fotojornalista português Alfredo Cunha. Esta encontra-se no seu mais recente livro, onde podemos encontrar uma vasta coleção das suas obras, denominado por Cortina dos Dias.

O relacionamento entre vários elementos presentes nesta imagem como o amor materno ou sentimento familiar  através do gesto de carinho expresso por esta mulher, que não sabemos se será a mãe da criança ou  outro alguém próximo, o estado de saúde da própria e a sua faixa etária, o vestuário e cenário humilde sem grandes luxos e acessórios de valor, e por último, a religião faz-nos relembrar ou repensar os valores básicos do Ser Humano.

Joana Catita

Nem todos nascem para viverem em comunidade, em sociedade. Esta é a habitação de uma pessoa que ao perder o seu emprego, casa e consequentemente a sua família, virou-se para a Natureza. Junta objectos da rua que vai encontrando e não deixa qualquer pessoa aproximar-se da sua propriedade.O contraste de cores dos objectos que se acumulam à porta desta habitação improvisada saltam à vista de quem por aqui passa, na Lagoa de Albufeira.
Gustavo Ribeirinho

Nem todos nascem para viverem em comunidade, em sociedade. Esta é a habitação de uma pessoa que ao perder o seu emprego, casa e consequentemente a sua família, virou-se para a Natureza. Junta objectos da rua que vai encontrando e não deixa qualquer pessoa aproximar-se da sua propriedade.
O contraste de cores dos objectos que se acumulam à porta desta habitação improvisada saltam à vista de quem por aqui passa, na Lagoa de Albufeira.

Gustavo Ribeirinho

Ninguém consegue escapar aos efeitos negativos da crise económica. Num período em que se observa a extinção da classe social média, observamos o aumento de várias casas abandonadas, que são postas à venda.O passado que ao ser relembrado representa-se áureo e glorioso, nos dias de hoje restam apenas as memórias desses tempos gloriosos.Esta é uma casa de férias de um casal de terceira idade que sempre viveu desafogadamente, mas que com a crise e os sucessivos cortes nas reformas viram-se obrigados a abrir mão de um dos seus bens.A teia de aranha nesta imagem simboliza o tempo que passa e que marca a relação entre o passado glorioso e o presente cinzento que se desenrola num futuro nada promissor.Os matraquilhos no fundo e no canto da imagem simbolizam a minha infância e a minha inocência, dos tempos em que perder um jogo um enorme problema e vencer era uma enorme felicidade, quando tudo era simples.Gustavo Ribeirinho

Ninguém consegue escapar aos efeitos negativos da crise económica. Num período em que se observa a extinção da classe social média, observamos o aumento de várias casas abandonadas, que são postas à venda.
O passado que ao ser relembrado representa-se áureo e glorioso, nos dias de hoje restam apenas as memórias desses tempos gloriosos.
Esta é uma casa de férias de um casal de terceira idade que sempre viveu desafogadamente, mas que com a crise e os sucessivos cortes nas reformas viram-se obrigados a abrir mão de um dos seus bens.
A teia de aranha nesta imagem simboliza o tempo que passa e que marca a relação entre o passado glorioso e o presente cinzento que se desenrola num futuro nada promissor.
Os matraquilhos no fundo e no canto da imagem simbolizam a minha infância e a minha inocência, dos tempos em que perder um jogo um enorme problema e vencer era uma enorme felicidade, quando tudo era simples.
Gustavo Ribeirinho

A solidão é um grande inimigo da terceira idade, esquecida pelas gerações mais novas que não têm nenhuma ligação com o passado. É cada vez mais comum vermos grupos de idosos na rua à procura da melhor recreação.
Cremilda Simão

A solidão é um grande inimigo da terceira idade, esquecida pelas gerações mais novas que não têm nenhuma ligação com o passado. É cada vez mais comum vermos grupos de idosos na rua à procura da melhor recreação.

Cremilda Simão

É do conhecimento geral que a perfeição só se alcança ao final de 10 anos de prática intensiva.Nada se alcança sem suor e dedicação, sem algumas falhas pelo meio que servem para fortalecer e aguçar ainda mais a nossa vontade.Esta jovem bailarina está concentrada na posição que está a fazer, observável através da sua expressão facial, de morder o lábio.
Gustavo Ribeirinho

É do conhecimento geral que a perfeição só se alcança ao final de 10 anos de prática intensiva.
Nada se alcança sem suor e dedicação, sem algumas falhas pelo meio que servem para fortalecer e aguçar ainda mais a nossa vontade.
Esta jovem bailarina está concentrada na posição que está a fazer, observável através da sua expressão facial, de morder o lábio.

Gustavo Ribeirinho

No meio de tanta pobreza e fome (nesta realidade de vida bastante diferente da nossa) aparece a imagem da atriz Rita Pereira repleta de brilho. A sua figura destaca-se no meio de todas aquelas crianças que olham sem perceberem o significado do que está a acontecer. Uma imagem polémica que mostra duas realidades distintas e desiguais.
Joana Barbedo

No meio de tanta pobreza e fome (nesta realidade de vida bastante diferente da nossa) aparece a imagem da atriz Rita Pereira repleta de brilho. A sua figura destaca-se no meio de todas aquelas crianças que olham sem perceberem o significado do que está a acontecer. Uma imagem polémica que mostra duas realidades distintas e desiguais.

Joana Barbedo

A fotografia do sueco Paul Hansen de um funeral em Gaza, mostra vários homens que carregam ao colo crianças mortas na sequência de um ataque israelita em Gaza. As suas expressões revelam tristeza, desespero, cansado, revolta…
Joana Barbedo

A fotografia do sueco Paul Hansen de um funeral em Gaza, mostra vários homens que carregam ao colo crianças mortas na sequência de um ataque israelita em Gaza. As suas expressões revelam tristeza, desespero, cansado, revolta…

Joana Barbedo

A pobreza é um dos maiores problemas que se enfrenta nos dias de hoje. É uma realidade que está bastante presente na vida de muitas pessoas e que deve ser combatida.
Joana Barbedo

A pobreza é um dos maiores problemas que se enfrenta nos dias de hoje. É uma realidade que está bastante presente na vida de muitas pessoas e que deve ser combatida.


Joana Barbedo

Será que em momentos de crise somos obrigados a descobrir algo novo em nós?
Cremilda Simão

Será que em momentos de crise somos obrigados a descobrir algo novo em nós?

Cremilda Simão

"Pode-se secar um coração de mulher, a seiva de todos os amores, mas nunca se extinguirá o amor materno.” Júlio Dantas
Atualmente ser mãe é mais do que uma realidade vivida por todas as mulheres, é um modo de vida, ser e estar. Quando muitas mulheres tomam a decisão de fazerem parte do “mundo da maternidade” têm de pensar e refletir com bastante seriedade e consciência no passo que vão tomar, pois significa dar algo de nós a alguém, anularmo-nos enquanto seres individualistas e egoístas e ingressar no plano coletivo e afetivo onde aprender a dar amor, atenção e carinho torna-se tão imperativo como respirar. Contudo, esta aprendizagem não é em vão, é recompensada com outro sentimento ainda maior, o orgulho. Este sentimento é o grande ex-libris da maternidade, é quem nos diz o que fazer, dizer e que caminho temos de seguir para sermos felizes.Joana Catita

"Pode-se secar um coração de mulher, a seiva de todos os amores, mas nunca se extinguirá o amor materno.” Júlio Dantas

Atualmente ser mãe é mais do que uma realidade vivida por todas as mulheres, é um modo de vida, ser e estar. Quando muitas mulheres tomam a decisão de fazerem parte do “mundo da maternidade” têm de pensar e refletir com bastante seriedade e consciência no passo que vão tomar, pois significa dar algo de nós a alguém, anularmo-nos enquanto seres individualistas e egoístas e ingressar no plano coletivo e afetivo onde aprender a dar amor, atenção e carinho torna-se tão imperativo como respirar. Contudo, esta aprendizagem não é em vão, é recompensada com outro sentimento ainda maior, o orgulho. Este sentimento é o grande ex-libris da maternidade, é quem nos diz o que fazer, dizer e que caminho temos de seguir para sermos felizes.
Joana Catita

Juan Joel DeJesus Villareal, 15 anos, usa a sua camisola como filtro para beber água de uma garrafa nas Honduras. É uma imagem forte, mostra bem a realidade que este jovem enfrente diariamente. Este utiliza a camisola ingenuamente como filtro para beber água, na esperança que esta se torne um pouco mais potável para beber.O rapaz tem uma camisola suja, assim como o seu rosto também parece estar sujo, mostra bem as condições desfavoráveis enfrentadas pelo jovem JuanGustavo Ribeirinho

Juan Joel DeJesus Villareal, 15 anos, usa a sua camisola como filtro para beber água de uma garrafa nas Honduras. É uma imagem forte, mostra bem a realidade que este jovem enfrente diariamente. Este utiliza a camisola ingenuamente como filtro para beber água, na esperança que esta se torne um pouco mais potável para beber.
O rapaz tem uma camisola suja, assim como o seu rosto também parece estar sujo, mostra bem as condições desfavoráveis enfrentadas pelo jovem Juan
Gustavo Ribeirinho

(Source: politics-war, via puppabassey)

Esta foto de Anthony Asael, fotografo belga, foi tirada em Malawi, onde estão 4 crianças a rir e a sorrir. Este local é um campo que acolhe crianças refugiadas e sem família e transmite-nos a ideia de que a felicidade está onde menos se espera. isto porque mesmo estando numa situação delicada e sem muita - ou quase nenhuma -  qualidade de vida, observável pelas roupas que vestem,  estas 4 crianças são capazes de sorrir mesmo que inconscientemente.Gustavo Ribeirinho

Esta foto de Anthony Asael, fotografo belga, foi tirada em Malawi, onde estão 4 crianças a rir e a sorrir. Este local é um campo que acolhe crianças refugiadas e sem família e transmite-nos a ideia de que a felicidade está onde menos se espera. isto porque mesmo estando numa situação delicada e sem muita - ou quase nenhuma -  qualidade de vida, observável pelas roupas que vestem,  estas 4 crianças são capazes de sorrir mesmo que inconscientemente.
Gustavo Ribeirinho

(Source: Flickr / anthonyasael, via puppabassey)

Num Portugal cada vez mais envelhecido, tornou-se uma prática comum entre a terceira idade, a de se juntarem num jardim para convivívio. Onde se debatem temas actuais, joga-se à sueca, acabando por criarem uma pequena comunidade com características próprias.Cremilda Simão

Num Portugal cada vez mais envelhecido, tornou-se uma prática comum entre a terceira idade, a de se juntarem num jardim para convivívio. Onde se debatem temas actuais, joga-se à sueca, acabando por criarem uma pequena comunidade com características próprias.
Cremilda Simão

"OM" de Jared Lim apresenta um monge budista no seu templo em momento de reflexão. O seu tamanho em comparação com o tamanho do templo pode servir de comparação com o tamanho do nosso conhecimento sobre o mundo e a sua vastidão. Os monges são pessoas que excluem os bens materiais da sua vida, procuram apenas a harmonia espiritual, o equilíbrio da alma. 
O monge encontra-se com um traje humilde, cor de laranja e embora possa estar a penas a posar para a fotografia, parece estar num momento de reflexão. Gustavo Ribeirinho

"OM" de Jared Lim apresenta um monge budista no seu templo em momento de reflexão. O seu tamanho em comparação com o tamanho do templo pode servir de comparação com o tamanho do nosso conhecimento sobre o mundo e a sua vastidão. 
Os monges são pessoas que excluem os bens materiais da sua vida, procuram apenas a harmonia espiritual, o equilíbrio da alma. 

O monge encontra-se com um traje humilde, cor de laranja e embora possa estar a penas a posar para a fotografia, parece estar num momento de reflexão. 
Gustavo Ribeirinho

(Source: westandfor-something, via puppabassey)